PRIMEIRO SEGREDO

As crianças crescem e saem de casa- por que sofremos? - parte 2

Uma mãe ou qualquer outra pessoa responsável pelo cuidado de uma criança, seja filho, neto ou sobrinho, dedica uma parte substancial de seu tempo para criar e educar este ser humano em formação.

Independente do fato de trabalhar fora ou dentro de casa, na grande maioria dos casos, mães e cuidadoras tem como foco principal de suas vidas o cuidado com seus filhos/crianças. Nos primeiros anos, cuidados com a segurança, higiene, alimentação, estímulos para o aprendizado motor e intelectual, consomem tempo e energia de quem cuida.

 

Senhores pais ou responsáveis...

Quando as crianças estão em período escolar, acompanhamos o estudo, ensinamos padrões do que é certo e errado, educação e ética, a cada dia. São anos repetindo as mesmas frases e lições, até que consigam ter autonomia para cuidar de seu próprio corpo e higiene, de seu próprio estudo e atividades, de sua autoestima e de seus interesses. Atire a primeira pedra quem nunca disse alguma dessas frases:

“já escovou os dentes? Penteou os cabelos? Tomou banho”?

“não esquece de passar desodorante!”

“já é hora de dormir!”

“Tem lição de casa hoje? É para fazer assim que acabar de comer”!

“já estudou para a prova?”

“Faça o favor de colocar uma meia no pé e um casaco! Não quero te ver resfriado”

“Você não está comendo direito! Já comeu fruta hoje”?

Quando adolescentes, iniciam-se os questionamentos por parte dos jovens: por que os pais, a estrutura familiar ou a sociedade são assim, por que não pode mudar? Tenho certeza que se você mesmo puxar pela memória, lembrará de seus pensamentos e até atitudes desta época!

 

No meu tempo não era assim... será?

 Querer sair de casa, viver experiências diferentes, ter liberdade e autonomia de ação e expressão, são desejos comuns de muitos jovens. O problema começa quando são vistos como uma ameaça pelos pais ou tutores, ou uma afronta/ofensa pessoal, ou ingratidão frente a tudo o que lhes foi proporcionado.

Quantas vezes os pais não ficam indignados ao ouvirem seus filhos, sentindo cada palavra como uma crítica feroz, e uma desvalorização de suas horas perdidas, anos a fio, educando ou trabalhando para dar tudo do bom e do melhor?

Adoramos a frase “no meu tempo não era assim”, mas esquecemos que nossos pais e avós já falavam a mesma coisa. O que me leva a pensar que nunca fomos tão diferentes, afinal, quando assumimos os papéis de nossas vidas!

Outra frase ótima – e clichê- é: “enquanto você morar na minha casa/ não pagar suas contas, você não manda nada/não tem querer”. Como somos poderosos, não?  Enquanto estiverem sob o mesmo teto, você tem tudo sob controle...

 Até que aquele adolescente cresce mais um pouco, e os rumos vão mudando:

- um curso ou formação que querem fazer em outra cidade ou mesmo outro país;

- um novo emprego, que possibilita que este jovem vá morar fora de casa;

- a união com outra pessoa, criando outro núcleo familiar.

- ir morar numa casa compartilhada...

Suas palavras, sua autoridade, seus cuidados, agora não tem mais um alvo, uma pessoa a quem se dirigirem. O que será que acontece então?

 

Eles já não estão em casa!

 

E então a rotina de quem cuidava deste ser humano em formação muda. Você olha ao redor e não tem:

-  o quarto para arrumar;

- um monte de roupa para lavar;

- que dar bronca nem conselho;

- que lembrar ninguém das obrigações;

- horário, nem para quem fazer a comida;

- a rotina de levar ou buscar filho no curso, na balada;

- nem como rir das descobertas deste mundo que se abre a eles!

 

A casa fica vazia. Sua vida fica vazia. Começa a sobrar muito tempo livre, tempo ocioso, e quem antes cuidava fica perdido em meio ao silêncio da casa.  o que fazer agora?

Perguntas que ouço com frequência:

“Agora que não tenho que cozinhar para três ou quatro, qual é o sentido de fazer comida”?

“Se você não tem que levantar cedo para acordar ninguém, para que levantar da cama”?

 “Se você não tem que colocar tanto dinheiro em casa, qual o sentido de trabalhar tanto”?

Estas podem ser perguntas que passem pela cabeça de quem começa a lidar com a ausência dos filhos.

Sofremos com a ausência dos jovens em casa porque a vida torna-se vazia de atividades e com muito tempo extra. A energia gasta com o “cuidar” agora está sem foco, e não sabemos o que fazer com ela.

Na medicina oriental dizemos que energia acumulada ou parada traz o desequilíbrio, que é sinônimo de doenças, seja no corpo, seja no emocional.

 Mas será que passar por isto é obrigatório?

É o que veremos no próximo artigo sobre este assunto.




Curso Ler, Meditar e se Amar
Contém o e-book com exercícios "5 Passos para ser Feliz -superando a Síndrome do Ninho Vazio e outras crises da meia idade" + 7 audios de meditação + 3 bônus!

Talvez você se interesse em ler:

Não se contente com o que um Mestre fala
Sempre em frente. Sempre para o alto. Não se contente com o que um Mestre falar de ti...
Saudade não! (ou como lidar com a saída dos filhos de casa)
Quando era pequena, eu usava a expressão “minha filha” para ela. Era emburrada, não sorria...
POSSEIROS DO AMOR
Esta semana iniciou-se com uma notícia triste na escola de meu filho: uma colega de sala,...
Namastê
Você sabe o que significa Namastê? É uma saudação hindu, "meu Deus interno saúda teu Deus ...
Autoconfiança combina com modéstia?
Quem nunca se vangloriou de ser modesto? “ah, eu tenho minhas habilidades, mas não fico me...
PRIMEIRO SEGREDO
Endereço: São Paulo / SP
Telefone: 11- 98175-3478
© 2017 | Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvido e Hospedado por Programa Afiliado Sussa

Termos de Uso


Politica de Privacidade


FAQ WebMail Administrativo