PRIMEIRO SEGREDO

As crianças crescem e saem de casa - olhando por outro ângulo - parte 3

Venho tratando nesta série de artigos sobre o momento em que os jovens saem de casa, e o impacto que causam na vida de pais e cuidadores. Foi visto até agora que o que chamamos de Síndrome do Ninho Vazio é uma série de sintomas, sensações e emoções negativos em relação à saída dos filhos (ou sobrinhos/netos) de casa.

É compreensível que se sinta falta destes jovens, que preencheram por tanto tempo nossas vidas. Mas podemos ver estes acontecimentos por outro ângulo.

 

Quem é você agora?

Imagine que para cada função que exercemos, ganhamos um título. Destes títulos que temos – ou podemos ter- quais são aqueles que exercemos paralelamente ao de mãe/responsável por uma criança, e que podemos agora nos dedicar mais?

Alguns exemplos:

- companheiras/esposas/namoradas de alguém;

- funcionária ou profissional de alguma área;

- aluna de algum curso;

- professora de alguma coisa;

- praticante de algum esporte, jogo, hobby;

- participante de alguma religião...

Você conseguiu responder? Quantos “títulos” você tem hoje?

Nos meus muitos anos de terapeuta, ouvi um sem número de mulheres que não souberam responder a esta pergunta.

Optaram por cuidar dos filhos, ou dos jovens sob seus cuidados, e fizeram escolhas radicais:

- Elas relegavam seus companheiros ou esposos a um segundo plano. Sua vida amorosa já não era o mais importante, era somente um item a exigir manutenção.

- ou diminuíram o foco em sua carreira profissional, fazendo o mínimo necessário e dedicando-se ao lar, ou, se sozinhas, se “matavam” de trabalhar para dar do bom e do melhor para estes jovens. 

Ao mesmo tempo, todas deixaram de praticar atividades prazerosas para si mesmas, a ponto de não conseguirem responder à uma simples pergunta:

“O que você faz para si mesma que te deixa feliz”?

Vi muita “mulherona” chorando em meu consultório, com esta simples pergunta.

Após aquele minuto de silêncio inicial, elas diziam:

-“nossa, não consigo lembrar de nada agora”.

-“sério, para mim? Não pode ser para meus filhos ou minha família”?

-“faz tanto tempo que não faço nada que gosto, que até me esqueci como é isto”.

-“dormir tá valendo”?

 

Pois é... quem é você agora, o que faz para si mesma, são questões que só podem ser respondidas analisando o que você vem colhendo no presente, das ações que “semeou” no passado.

Este é o motivo da vida parecer vazia quando os filhos saem de casa. Eles levaram na bagagem quem você era!

 

Podemos mudar isso?

Sim, podemos. Todo e qualquer momento é bom para mudar o que não está bom em nossa vida. Mas a escolha é somente sua. É como perceber que o sapato está apertado, enquanto está se aprontando para sair. Se você mantiver o sapato, só para combinar com o figurino, depois não reclame...

Se seus filhos ainda não saíram de casa, está em tempo de buscar – na memória e na prática – o que você gostava de fazer antes de estar tão atarefada. Faça uma lista inicial, e veja o que pode encaixar na sua rotina semanal. Ler, passear, desenhar, fazer artesanato, escrever, tocar algum instrumento, fazer algum tipo de dança, cantar no coral, sair, estudar algo... seja lá o que for, tem que ser para que você sinta alegria em fazer isto, e não para que se sinta obrigada a fazer.

Outro ponto importante é aprender a desapegar-se emocionalmente. Quando colocamos nossa felicidade dependendo da atitude e da decisão dos outros, estamos nos colocando em situações que não podemos controlar. E, fatalmente, iremos sofrer.

Quando começamos este processo, voltamos a “nos conhecer” intimamente. Sabemos aonde o sapato aperta, certo? E quando sabemos aonde é a dor, não podemos ter medo de tirar o sapato, ou preguiça de fazê-lo, pois ficaremos machucados. Respeitar-se e trocar os sapatos, respeitar-se e mudar comportamentos e atitudes, esta é a mais correta atitude.

Quando nos conhecemos, desenvolvemos também a capacidade de conhecer ou enxergar melhor as outras pessoas, inclusive a quem amamos. Começamos a respeitá-los como seres com vontade própria.

 

Ferramentas de mudança

Para que se possa entrar num processo de autoconhecimento, a meditação é uma boa aliada. Variáveis da meditação são os relaxamentos induzidos, ou visualizações criativas. Todos estes processos nos levam a entrar em contato com o nosso subconsciente, nossos pensamentos e emoções. Eu gosto de chamar isto de encontro com meu Eu Interno, ou com meu Mestre Interno.

Outra ferramenta que uso muito e ajuda no processo de mudança de padrão é a Programação Neurolinguística. Conseguimos com esta técnica mudar nosso modo de ver o que nos rodeia, e também a maneira como nos sentimos em relação a tudo o que acontece.

Estas mudanças trazem uma leveza em todos os relacionamentos que estabelecemos, seja com filhos, com companheiros, amigos ou familiares. Não significa se conformar, tolerar, carregar o fardo com dignidade. Significa realmente viver sua vida em plenitude, e deixar com que cada um faça o mesmo.

O que gosto nas duas ferramentas aqui apresentadas, é que elas podem ser aprendidas e utilizadas diariamente, por poucos minutos. O que significa que mesmo que nossa rotina diária seja apertada, conseguimos dedicar algum tempo para nós mesmos.

Na verdade, não importa se hoje você ainda tem a rotina apertada entre cuidar de jovens seres humanos, trabalhar e cuidar da casa e do resto da família; não importa se está só a maior parte do dia, e com um tempo ocioso que está te desequilibrando.

A melhor decisão a se tomar será sempre cuidar melhor de si mesmo, em todos os sentidos. Lembre-se: com “sapatos” leves e confortáveis, vamos mais longe, e mais felizes!

Se você quiser conhecer como eu mesma fiz esta transformação em minha vida, clique aqui!




Curso Ler, Meditar e se Amar
Contém o e-book com exercícios "5 Passos para ser Feliz -superando a Síndrome do Ninho Vazio e outras crises da meia idade" + 7 audios de meditação + 3 bônus!

Talvez você se interesse em ler:

Dia cinza
O dia começa com a leveza do cinza, mas não triste. O dia começa, com coração morno, corpo...
COMO SUPERAR UM DIA RUIM?
  Quem é que não acorda de mau humor ou desanimado de vez em quando? Tem époc...
Saudade não! (ou como lidar com a saída dos filhos de casa)
Quando era pequena, eu usava a expressão “minha filha” para ela. Era emburrada, não sorria...
Amargas palavras
Muitas vezes, nestes últimos anos, tenho represado palavras, pois elas viriam repletas de ...
Os amigos em nossa jornada
Os anos passam, e a alma nem sempre acompanha este passar de anos. Ela fica presa em recôn...
PRIMEIRO SEGREDO
Endereço: São Paulo / SP
Telefone: 11- 98175-3478
© 2017 | Todos os Direitos Reservados.
Desenvolvido e Hospedado por Programa Afiliado Sussa

Termos de Uso


Politica de Privacidade


FAQ WebMail Administrativo